domingo, 21 de dezembro de 2014

Operação Lava Jato, ou ¨PIZZA JATO ???


O DELATOR É TUCANO
O ESTADO DO PARANÁ....TUCANO
A IMPRENSA....QUASE TODA TUCANA
A PF....TUCANOU TAMBÉM...
ATÉ A MARMELADA É À TUCANA....

PIZZA PIZZA PIZZA PIZZA PIZZA PIZZA

QUEM ESPERAVA MAIS DO DELATOR TUCANO PAULO ROBERTO DA COSTA SE DECEPCIONOU. DO PSDB, ENTREGOU APENAS UM POLÍTICO, JÁ FALECIDO. SERGIO GUERRA PRESIDENTE DO PSDB TERIA RECEBIDO PROPINA PARA DIVIDIR ENTRE PARLAMENTARES E ESVAZIAR CPI. 
SÓ ISSO ? QUEM SÃO OS PARLAMENTARES QUE FATIARAM MAIS ESTE MESADÃO TUCANO ???

O DELATOR ENTREGOU NOMES INCLUSIVE, QUE NADA TEM HAVER COM O ESQUEMA, E TERÁ QUE APRESENTAR PROVAS, LEMBRANDO QUE DOAÇÕES À CAMPANHAS, LEGAIS E APROVADAS PELO TSE NÃO CONTAM....

VAMOS AGUARDAR CENAS...ENQUANTO ISSO, O PATRIMÔNIO LÍ-QUI-DO DA PETROBRÁS NÃO PARA DE CRESCER.



Acompanhem as cotações das ações da Petrobrás em tempo real:

Quem pode comprar ações, e como: Basta acessar os links abaixo:
Quem pode comprar ações da Petrobrás: 

Como comprar ações da Petrobrás: 

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Como Acabar Com a Petrobrás e Derrubar a Ibovespa ???



Leia este artigo e conheça os verdadeiros vilões, caso o objetivo de enterrar a empresa se confirme...

Um dia lindo de Sol na cidade maravilhosa, uma sexta-feira que promete praia no fim de semana com céu azul e mar perfeito para nadar. Você vai até o pregão da bolsa de valores, que fica na passagem de seu trabalho. Como de costume e vício, dar uma olhada no pregão e ver o desempenho de suas ações. E então, o mundo parece sem chão. Petrobrás caiu 5%, Vale do Rio Doce caiu 5%? A bolsa no total teve perda de mais de 10% com o pregão interrompido e ninguém previu isso?  Esse cenário não é fictício e não é 1929, muito menos nos EUA. É no Rio de Janeiro de 1989, Brasil. Caro leitor, se você já parou um pouco para olhar ao seu redor, vê a todo instante que o tempo não para. Se tem filhos, observa o quanto eles cresceram, aquelas brincadeiras pequenas de bola e bonecas já não existem. Se tem netos, eles já não ligam para você pois não é mais o tempo deles. Os interesses são outros e mesmo seus amigos devem ser reinventados a todo instante, assim como sua relação de amizade. Fatos que outrora eram importantes, agora são passado. Mas tudo tem uma história, e é a história escrita na sua mente que faz a vida evoluir. País e pessoas que não aprendem com a história cometem sempre os mesmos erros e nunca evoluem. Todos os países desenvolvidos guardam em seus arquivos a história de seu passado e insistem a todo instante em mostrar aos cidadãos para que os erros não voltem.  O jornal a Folha de S. Paulo possui um arquivo simplesmente fantástico e que deve ser visitado por todos. Ler os jornais de épocas passadas nos faz viver e vivenciar o clima da época e o que as pessoas diziam ou justificavam. Os arquivos estão digitalizados desde 1921 no site acervoFolha, que vale à pena ser visitado. É interessante visitar para relembrar como é um erro idolatrar pessoas ou empresas.  Nos dias atuais, assim como no passado, pessoas adoram idolatrar empresários que nem conhecem, confiam seu patrimônio, o tomam com ardor e fervor como se fosse um parente, um time de futebol ou uma escola de samba. É comum observar fóruns dos pós e contras, os bate-bocas que nunca levam a nada, sobre os fervorosos defensores e acusadores desses empresários. Os "entendidos" do mercado gostam de se vangloriar que conhecem a empresa "x" ou "y" e que seu dono é o midas, o que "ele faz eu faço". "O Brasil precisa se espelhar nele! "  Também foi assim no passado, e muita, mas muita gente perdeu pelo menos 1/3 do patrimonio investido em Bolsa em apenas uma semana por confiar nos mesmos métodos que um certo empresário empregava. Segundo está relatado no acervo da Folha, o empresário Naji Nahas foi o responsável direto pelo fechamento da bolsa de valores do Rio de Janeiro. Ele nega em todas as reportagens e diz que seu ato foi legal. A justiça brasileira também assim entendeu, apesar de levar a bancarrota uma bolsa de valores inteira, e ser inocentado do crime de cheque sem fundo, totalizando um valor de NCz$ 500 milhões (cruzados novos era a moeda em 1989).  O libanês-brasileiro Naji Nahas chegou ao Brasil em 1969 com CR$50 milhões (era cruzeiros na época) e um ano depois já tinha uma fortuna de CR$1 bilhão em 1970, segundo a folha. Sua fortuna se deve à uma associação com uma grande firma que operava com negócios do metal prata no mundo, chegando essa firma a ter em mãos 10% de toda prata mundial. Esse foi o início da carreira meteórica de Naji Nahas que passou a ficar famoso, a ser o midas do mercado, a ser idolatrado como o "empresário" de visão, a ter espaço livre nos corredores da política, e especialmente da Justiça.  No dia 4 de Junho de 1989 a folha noticiou: "Bolsas do Brasil são as que mais rendem em 88". Foi uma entrevista com o presidente da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, Sérgio Barcellos, que dizia: "...infelizmente há uma grande desconfiança na estabilidade das regras no Brasil...". Ele dizia na reportagem que ficava indignado com isso, pois todo mundo fora do país se perguntava por que o brasileiro não investe mais na bolsa, país carente que precisa de investimentos. O presidente voltava de um seminário no Japão e chegou a ponto de comparar a bolsa do Rio com a de Tóquio dizendo que eles, os japoneses, estavam atrasados. Era muita burocracia e os negócios iam primeiro para o terminal e só depois que eram avaliados os negócios eram fechados. "Na bolsa do Rio os negócios são fechados automaticamente na boca do posto".  Os investidores estavam felizes, mais gente era convocada para entrar nas bolsas, em reportagens que se seguiram e muitos investidores se esqueceram que uma moratória estava sendo imposta pelo presidente José Sarney e a comissão do FMI estava no Brasil apertando de todos os lados. A bolsa era um mundo, o Brasil era outro.  Mas no dia 9 de Junho, inesperadamente as bolsas de São Paulo caíram de repente 5% com algum boato. O boato que era verdade e ninguém esperava, era que o empresário Naji Nahas tinha ludibriado a bolsa com um cheque sem fundo de NCz$ 30 milhões. O fato nem parecia tão grave assim, pois no Sábado apenas uma notícia sobre o fato apareceu no caderno de Economia da folha: "Cheque sem fundo de Empresário derruba Bolsas". A notícia dava conta que a Bovespa havia caído 5,6% e a Bolsa do Rio 4,5%. Segundo a reportagem eram dois cheques sem fundo, um de NCz$39 milhões e outro de NCz$300 milhões. Fora outros ainda desconhecidos, se estimava que seriam NCz$500 milhões. Mas o mais preocupante era que se noticiava que na segunda-feira nenhuma bolsa de valores no Brasil estaria aberta.  Foi o que bastou para pegar todos os investidores desprevinidos e gerar pânico no mercado de ações brasileiro. Bolsa fechada? A reportagem dizia não ter encontrado o empresário para falar e explicar o que ocorreu. Na verdade, em reportagens publicadas posteriormente se descobre que Naji Nahas estava dentro do Banco Central dizendo que não ia colocar seus bens para pagar nada. Apenas aceitava devolver as ações que não honrou, mas nunca colocaria seu patrimônio, pois tinha agido de maneira legal.  O fato então se tornou nacional com o minstro da fazenda Maílson da Nóbrega se negando a colocar dinheiro público para salvar bolsa ou empresas. O gráfico ao lado mostra a enxurrada de reportagens que então dispertou o interesse público e colocou mais pânico no mercado nacional. De apenas uma reportagem por dia, no dia 14 de Junho praticamente todo o caderno de Economia só falava sobre a fraude de Naji Nahas, com 14 reportagens sobre o assunto.  No dia 12 de Junho a folha saía com a notícia: " Caso Nahas impede abertura das Bolsas hoje". O presidente da Bolsa do Rio correu desesperado para algum financiador cobrir os cheques, o que se mostrou em vão conforme reportagem "Mercado acionário quer financiador para Nahas". Uma quantidade enorme de informações começou a aparecer e explicar o processo.  Naquela época você podia comprar ações sem ter dinheiro, pegando emprestado de um financiador e pagando 5 dias depois. Então, mesmo sem dinheiro, se o mercado subisse você poderia vender suas ações, fazer dinheiro e pagar o financiador depois.  No entanto o que Nahas fez foi pegar dinheiro de um financiador e comprar ações. Antes de pagar esse financiador com as altas das ações ele vendia e pegava mais crédito com outro financiador para comprar mais ações e no dia seguinte vendia. Pegava mais dinheiro com outro financiador e comprava mais ações com as altas do dia seguinte.  O primeiro financiador só receberia no quinto dia, o segundo no sexto dia depois do primeiro, o terceiro no sétimo e assim por diante. Quando se esgotavam os dias o processo começava novamente.    
As coisas mudaram com o passar dos anos, e os modais de ataques especulativos também. Muitos utilizam-se do mercado acionário de forma criminosa. Os fundos abutres são um claro exemplo disso e nossas empresas e mercado de ações não estão livres.
O que acontece hoje com a Petrobrás, principal responsável pela queda vertiginosa do Ibovespa e demais pregões pelo mundo é de uma irresponsabilidade sem precedentes, e o pior, protagonizado por quem deveria defender a empresa.

O maior escândalo, visível a olho nu, é a forma como a Petrobrás vem recebendo ataques.  O que deveria ser tratado como ¨sigilo de justiça¨ , para salvaguardar o capital da empresa, ocorre apenas quando os nomes de políticos e partidos, são ligados a oposição ao governo. Ocorrências de corrupção são pré julgadas pela grande imprensa e divulgados de forma apátrida e irresponsável. Diariamente os ataques noticiosos minam o valor de mercado da Petrobrás...até quando irá aguentar e quanto mais suas ações cairão não sabemos. De certo temos apenas a convicção que ¨eles¨ não vão desistir da conduta especulativa, até que a estatal vá a banca rota. Nunca se observou neste país atitude lesa pátria mais contundente e perversa.
Não precisamos mais de Nahas, Soros e fundos abutres para nos mandar para o ¨limbo¨, agora temos uma imprensa COVARDE, um Legislativo inoperante que não conhece suas responsabilidades perante o patrimônio que ora ajudam a minar, ao não se definirem logo como ¨base, e um Judiciário OMISSO, que vem pendendo apenas para ¨um lado¨, em clara demonstração que SIM, a justiça é cega neste país.
Que fique bem claro um fato. Todo aquele que não precisa de TV, Jornais, Revistas e Internet para pensar, saberá contar esta história no futuro.
Se a Petrobrás estará neste futuro, de certo é que, todo aquele que tiver um patrimônio a investir em ações, e não necessitar resgatá-lo por alguns anos,  compre agora na ¨baixa¨, as ações da Petrobrás. Por quê? Oras, fiquem certos de uma coisa, a PETROBRÁS é muito maior que uma P-36, seu patrimônio nos últimos DOZE ANOS tornou-se muito sólido, e é muito mais difícil agora ¨sabotá-la¨, para que mude finalmente de nome.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Cadastro Positivo. O vilão da Economia em 2014.

     Não adianta contestar. Nenhum analista ou tecnólogo irá convencer nós Brasileiros do contrário. Todo aquele que, ao não pagar em dia suas prestações, porém pagar, cada um com seu jeito peculiar de administrar suas finanças, ficou de fora do que é prática na concessão de crédito no país. O CADASTRO POSITIVO.


     Inúmeros trabalhadores em 2014 não puderam comprar veículos, imóveis e demais bens de consumo, apesar de estarem em dias com seus financiamentos e com o nome limpo na praça. Acontece que, aquele que atrasa alguma prestação é analisado de forma diferenciada e certamente preconceituosa ( vale estudar senhores financistas ), ficando de fora do novo cadastro, fato que o impede de efetuar financiamentos novos.
     Um claro exemplo aconteceu em Cidade Tiradentes, onde anualmente é realizado um Feirão de Automóveis. No antigo sistema de análise, os organizadores teriam vendido todo o estoque de veículos, tamanha foi a procura. Consumidores, apesar de estarem com o nome limpo, sem inclusão no cadastro NEGATIVO, também não figuraram no POSITIVO, e viram suas fichas serem reprovadas.
     Boa parcela do consumidor no Brasil, uma vez em sempre, vai atrasar uma ou outra fatura, mas sempre corre daqui, dribla dali e consegue quitar a prestação. Se a medida certamente impopular conseguiu eliminar algum percentual na inadimplência, da mesma forma foi a responsável direta pelo fraco crescimento do PIB, pelo fraco crescimento na indústria e no comércio, setores vitais para a economia do pais, que poderia estar comemorando recordes de vendas e movimentação financeira, apesar da forte crise no mundo.
Se há algum culpado pela economia crescer pouco este ano, com certeza foi o ¨inteligente¨ que, em ano eleitoral, de Copa, e de crise no MUNDO, inventou um instrumento capaz por si só, de acabar com o que poderia ser um ano de GRANDES CONQUISTAS ECONÔMICAS E FINANCEIRAS para todos os setores.
    Mais uma pergunta fica no ar. Esse cadastro é legal, do ponto de vista constitucional e jurídico ???  E não atenta contra o código de defesa do consumidor?
     Para não deixar mais uma pergunta no ar...A quem interessaria, em ano de eleição, segurar o crescimento da economia ???? Sem comentários não é!!! Achamos que seria apelação demais....porém, uma a mais, uma a menos...

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Brasil, um país a caminho do NAZISMO ?


Nesta reportagem, iremos demonstrar o caminho que o Brasil está percorrendo, RUMO AO NAZISMO. Os ingredientes são idênticos e a mídia é o principal instrumento de implantação. Muito parecido com o histórico político da Alemanha do inicio do século XX.
Para nos aprofundarmos nesta temática, vamos voltar no tempo e rever um breve relato a respeito da Acensão do 3º REICH ( Terceiro Império ).

Introdução:
A expressão “Nazismo” deriva da sigla “Nazi”, que foi usada como abreviatura para o “Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães”, organizado por Adolf Hitler na década de 1920. Para se compreender as principais características do Nazismo é necessário saber algumas informações importantes sobre o contexto no qual ele se desenvolveu.

Em 1919, ao fim da Primeira Guerra Mundial, a Alemanha, tendo perdido a guerra, foi submetida a humilhações e cobranças por parte dos países vencedores. A população ficou marcada por essas humilhações e por vários outros efeitos da guerra, que se refletiam em todos os setores: econômico, social, cultural etc. Essa atmosfera pós-Primeira Guerra produziu um enorme ressentimento nos alemães com relação aos outros países, fato que revigorava o extremismo nacionalista na Alemanha, originado ainda na segunda metade do século XIX.

A reorganização política da Alemanha após a Primeira Guerra ficou conhecida como a República de Weimar, cidade onde foi elaborada a constituição que deu as novas diretrizes políticas ao país. O Nazismo se articulou dentro da República de Weimar, junto com vários outros partidos e facções políticas e paramilitares que fizeram pressão contra o novo poder instituído. Dentre essas outras facções havia o movimento espartaquista, uma facção comunista influenciada pela Revolução Russa de 1917 e liderada por Rosa Luxemburgo.

Do ponto de vista econômico, a República de Weimar conseguiu resultados satisfatórios entre os anos de 1924 e 1929, principalmente por conta de investimentos estrangeiros, sobretudo vindos dos Estados Unidos. Entretanto, com a Grande Depressão Americana, a Quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque em 1929, a economia alemã naufragou junto com a de seu principal investidor. Essa nova situação de declínio econômico favoreceu a radicalização das propostas do Nazismo.

Adolf Hitler, nascido em 1889 na Áustria, havia participado da Primeira Guerra como soldado combatente da Tríplice Aliança. Após a guerra, Hitler passou a integrar um grupo de ex-combatentes, de trabalhadores e de membros da classe média alemã que passou a desenvolver uma ideologia cujo objetivo era resgatar a dignidade política da Alemanha, o passado glorioso alemão, isto é: dar continuidade aos dois grandes impérios que a Alemanha já havia protagonizado. Esse grupo fundou o Partido Nazista, que se tornou o suporte político para o desenvolvimento do que Hitler denominou “Terceiro Império” (Terceiro Reich).

Ainda antes da derrocada econômica de 1929, Hitler e seus aliados tentaram tomar o poder. Em 1923, os nazistas articularam um golpe no estado da Baviera e acabaram sendo presos e condenados. Na prisão, Hitler aperfeiçoou sua ideologia e a deixou registrada no livro “Minha Luta” (“Mein Kampf”). Todo o programa que o Partido Nazista viria a executar estava nesse livro. Através do Partido Nazista, Hitler conseguiu, gradativamente, eleger representantes no parlamento da República de Weimar e também chegar ao segundo posto mais importante da chefia do país: o de chanceler, ficando apenas abaixo do presidente Von Hindenburg.

Em 1933, após o parlamento alemão ter sido criminosamente incendiado (e o crime ter sido reportado aos comunistas), Hitler e os nazistas passaram a pressionar o presidente Hindenburg a lhe dar maiores poderes. A partir deste ano começou propriamente a ditadura nazista. Com a morte de Hindenburg, em 1934, Hitler agregou à sua pessoa os títulos de chanceler, de presidente e de “fürer”, senhor e líder, de todos os alemães. O regime nazista passou a ter um caráter completamente totalitário.

As características principais do nazismo, enquanto ideologia instituída no poder, derivaram-se das ideias de Hitler desenvolvidas no período da prisão. O controle da população por meio da propaganda seria uma de suas principais ferramentas. O uso do rádio e do cinema foram decisivos neste processo para que as ideias nazistas fossem propagadas. O antissemitismo era uma dessas ideias. O ódio aos judeus, a quem Hitler atribuía a culpa por vários problemas que a Alemanha enfrentava, sobretudo problemas de ordem econômica, intensificou-se no período nazista. Fato este que culminou no Holocausto – morte de mais de 6 milhões de pessoas em campos de concentração, dentre elas, a maioria de judeus.

Associado ao antissemitismo, estava a noção racista e eugenista da superioridade do homem branco germânico, ou da raça ariana, e a construção de um “espaço vital” para que esta raça construísse seu império mundial. Esse espaço vital compreendia vastas regiões do continente europeu, que segundo os planos de Hitler deveriam ser invadidas e conquistadas pelos germânicos, já que a raça estava incumbida, por conta de sua superioridade, de se tornar “senhora” sobre os outros povos.

As ideias de Hitler convenceram boa parte da população alemã, que criam que sua figura de líder era a garantia de uma Alemanha próspera e triunfante. Essas características do nazismo conduziram a Alemanha à Segunda Guerra Mundial, uma guerra ainda mais sangrenta que a anterior, e ao horror da “indústria da morte” verificada nos campos de extermínio.

* Créditos de imagem:

Por Me. Cláudio Fernandes  ( Resumo da história do império do ódio )
Por: Waldemar Parra ( Resumo da introdução do ódio no Brasil )

sábado, 20 de setembro de 2014

Lula Mostra Para Você, Um Brasil que a Imprensa Golpista Não Quer Mostrar

O maior canteiro de obras do continente.
Um país soberano, que não se apequena.
Um Brasil que cresce, apesar da crise.
Um governo que combate a miséria.

Um analfabeto que ensinou vários doutores.
A não abaixarem a cabeça ao estrangeiro
Mostra agora para todos nós.
Que podemos e vamos ser muito maiores.



Assista ao vídeo no Facebook
https://www.facebook.com/video.php?v=289714104546574&set=vb.100005239605196&type=2&theater

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Eu Sou Menor, e Não dá Nada


Uma obra que faltava na prateleira de inúmeros pais, educadores, assistentes sociais, policiais, e claro, de adolescentes. 
O livro, de Paulo Novaes Silva retrata a problemática e aponta o lado positivo do tema. Sua visão de direitos e deveres das crianças e adolescentes, a responsabilização penal que se pretende, a violência que sofrem, o abandono....tópicos abordados com extrema cautela e visão.
A tarde de autógrafos e lançamento de; ¨Sou menor, e não dá nada, ocorre neste sábado, 20 de Setembro, a partir das 14 horas, no UTC - 03. Instituto Mix Perus. Rua Julio Maciel,  605 - Perus. Para confirmar presença e tirar dúvidas, ligue para: (11) 3917-6194. Todos lá.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Trabalhador, Unido, Jamais será vencido...

    
  Metamorfose Ambulante mesmo. Oras...que sonhos viveu, o que sentiu, por onde passou, o quê vivenciou...Marina é o engodo, a antítese das lutas dos trabalhadores...Uma coisa é certa, escrevam aí...essa anti heroína não pode e não merece chegar onde pretende, sob pena de sofrermos duas vezes as lutas pelas qais passamos...TRABALHADOR UNIDO JAMAIS SERÁ VENCIDO...Na linguagem       Riponga até aceitaria sua argumentação. Curto Raul. Até acho bem esdrúxula a comparação. Mas o que não concordo, é uma pessoa que fingiu lutar por sua classe, caia nos sonhos de Ícaro, e nos braços dos reacionários. Uma coisa é certa, quanto um dedo aponta, os outros já que está apontando ( Cagueta ), estão olhando para você...e olha só...eles não possuem coisas bonitas para lhe dizer...uma coisa é certa, todo pelego, na minha opinião, é menos Brasileiro...como os fura greves......sabe!!! Uma espécie de dedo duro...

      Pense, viveu ao lado de extrativistas, sou perseguida, viu parceiros sucumbirem ante as ações da UDR ( União Democrática Ruralista ), e aliou-se a um inimigo tido como mortal para aquela categoria...Como se não bastasse, está traindo a sua defendida sustentabilidade e os ambientalistas e, mudando pontos importantes em seu (sic) Programa de Governo, segrega seres humanos em nome do fundamentalismo. Peleguismo é muito pouco para definir a ¨VELHA POLÍTICA¨ da velha Marina Silva.
      Raul Seixas, neste momento, deve estar passando por uma metamorfose Fulminantemente contrária a paz, ao ser comparado, neste meme, por alguém que para subir ao topo, pisa em princípios, e na cabeça de antigos e bons aliados....Isso tudo, acredito, em nome de um revanchismo vingativo incomum a uma pessoa que deveria além de dar exemplo, demonstrar o mínimo de caráter.