segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Coordenador da campanha de Aécio é acusado no Fantástico de corrupção

O empresário George Olímpio afirmou ter sido pressionado pelo senador José Agripino (DEM-RN) para pagamento de propina; em troca, ele seria acobertado em um esquema de corrupção envolvendo o Detran do estado. Agripino foi coordenador-geral da campanha do ex-presidenciável Aécio Neves, fato que foi ocultado na reportagem

No último domingo (22), o programa Fantástico, da Rede Globo, revelou um esquema de pagamento de propina a políticos do Rio Grande do Norte. As irregularidades foram delatadas pelo empresário George Olímpio e teriam ocorrido entre 2008 e 2011, quando ele montou um instituto para prestar serviços de cartório ao Detran do estado. O instituto tinha a função de cobrar uma taxa de cada contrato de carro financiado no Rio Grande do Norte. Mas, segundo o Ministério Público, nessa taxa estava embutido o custo da propina.

Em um dos trechos de seu depoimento, Olímpio cita o senador José Agripino Maia (DEM-RN), coordenador da campanha do ex-presidenciável Aécio Neves. Porém, qualquer referência ao candidato tucano foi ocultada na reportagem. Segundo o empresário, Agripino teria pedido mais de R$ 1 milhão no ano de 2010, em um encontro no próprio apartamento do político. “Subimos para parte de cima da cobertura de José Agripino, começamos a conversar e ele disse: ‘É, George, a informação que nós temos é que você deu R$ 5 milhões para a campanha de Iberê [governador à época]‘”, afirmou.

De acordo com o delator, o senador ameaçou prejudicar o esquema ilícito realizado no Detran, se não recebesse o valor desejado. “Eu dei R$ 1 milhão para a campanha de Iberê. Ele disse: pois é, e tal, como é que você pode participar da nossa campanha? Eu falei R$ 200 mil. Disse: tenho condições de lhe conseguir esse dinheiro já. Estou lhe dando esses R$ 200 mil, na semana que vem lhe dou R$ 100 mil. Ele disse: ‘pronto, aí vai faltar R$ 700 mil para dar a mesma coisa que você deu para a campanha de Iberê’. Para mim, aquilo foi um aviso bastante claro de que ou você participa ou você perde a inspeção. Uma forma muito sutil, mas uma forma de chantagem; R$ 1,150 milhão foi dado em troca de manter a inspeção”, contou.

A inspeção a que ele se refere diz respeito à compra de uma lei que torna obrigatória a inspeção veicular no estado, mesmo naqueles veículos que acabaram de sair da fábrica, conforme explicou o promotor de Justiça Paulo Batista Lopes Neto. Para a lei ser aprovada rapidamente, George diz que contou com a ajuda do deputado Ezequiel Ferreira, do PMDB, hoje presidente da Assembleia Legislativa.

Na sexta-feira (20), o procurador-geral da Justiça denunciou Ezequiel, ou seja, entregou a acusação formal ao juiz por crime de corrupção passiva. O valor da propina foi pago, mas a inspeção nunca chegou a funcionar porque, ainda em 2011, o Ministério Público descobriu todo o esquema. Na ocasião, 34 envolvidos foram denunciados, inclusive George Olímpio. Mas foi só em 2014 que ele decidiu contar tudo. Procurado, o senador José Agripino negou qualquer envolvimento com atos de corrupção e disse não fazer parte das negociações comandadas pelo empresário.

Foto de capa: Moreira Mariz/Agência Senado
(*) Portal Fórum

SwissLeaks o caramba! O nome do negócio é Suíçalão do HSBC

A mídia que achincalha a Petrobrás protege indecorosamente o HSBC e os barões ladrões por trás desse grande escândalo financeiro.

Os bacanas, milhares deles brasileiros, cometeram crimes de sonegação fiscal, lavagem de dinheiro e evasão em grandes proporções. Isso sem contar com outros crimes que podem estar associados à origem do dinheiro.

Depósitos milionários foram feitos no banco britânico HSBC, em sua filial na Suíça, para desviar montanhas de dinheiro que deveriam ser pagas em impostos, mas que preferiram fazer um passeio pelos Alpes.

Não se trata de dinheiro privado. É dinheiro público depositado em contas privadas. É corrupção da grossa, mesmo que feita por 'gente fina' - gente diferenciada, pelo menos por suas contas bancárias; e gente educada, pelo menos na arte de sonegar impostos e lavar dinheiro.

Leia Mais: Especial: ¨Quem é devorado pelos impostos no Brasil¨.


Sonegação e lavagem de dinheiro são e devem ser tratados como crimes de assalto aos cofres públicos. Por isso, a tradução exata do escândalo conhecido lá fora como SwissLeaks (**), em bom Português, é Suíçalão.

Suíçalão do HSBC, para ficar claro o mentor intelectual do crime e para manter no ar a suspeita, mais que plausível, de que muitos outros bancos possam ter feito o mesmo.

É preciso tratar o caso pelo apelido que ele merece, nem acima, nem abaixo do que se fez com os mensalões, o petrolão e o trensalão.
O fato de que os crimes relatados vinham sendo cometidos há décadas deixa claro como o mundo dos ricos é mantido em uma zona de conforto por governos - incluíndo-se aí seus bancos centrais -, judiciário e imprensa, mesmo quando as táticas são mais que conhecidas.

O escândalo ainda mostra como os grandes bancos são as maiores lavanderias do planeta. O HSBC não apenas abriu suas portas e seus cofres para os depósitos em dinheiro. O banco orientou clientes a como realizar em segredo práticas sabidamente criminosas.

Para coibir a prática de forma mais eficaz seria preciso estabelecer uma regulação do sistema financeiro internacional que impusesse maior transparência e punições mais duras. Alguém imagina que, sem isso, coisas desse tipo jamais irão se repetir? Claro que não. Ficar à espera de vazamentos é pouco.

Chega de camaradagem com a corrupção privada. Sonegação e lavagem de dinheiro são coisas de gente que faz - como dizia a propaganda do finado Banco Bamerindus, doado a esse mesmo gigante das finanças, o HSBC, por um Banco Central que foi sempre muito benevolente com Londres e a Suíça.

Os barões ladrões brasileiros estão na nona colocação entre os que mais surrupiaram dinheiro, com a ajuda do HSBC suíço.

O valor sonegado apenas por esse seleto grupo está estimado, por enquanto, em R$ 20 bilhões.

O valor é próximo aos R$ 18,7 bilhões não pagos em impostos pelo Itaú quando realizou a fusão com o Unibanco, em 2008.

O dinheiro dessas duas 'pequenas' sonegações é maior que o de qualquer outro escândalo de corrupção, mas nem todos se escandalizam em igual proporção.


A corrupção fiscal é hoje o principal inimigo do Estado brasileiro, de suas políticas sociais, como a saúde, há décadas subfinanciada, e até mesmo de suas políticas fiscal e monetária.

Daria para pagar um bom pedaço dos juros da dívida pública com o dinheiro dos ricos, ou melhor, o dinheiro dos pobres que os ricos preferem sonegar.

Apesar de todas essas evidências, o escândalo de corrupção até agora tem merecido apenas notas de rodapé do cartel de mídia aqui presente.

Como na época da ditadura militar, sabemos detalhes do escândalo mais pela mídia internacional do que pelo cartel midiático que nos habita.


A mídia que achincalha a Petrobrás protege indecorosamente o HSBC e os barões ladrões por trás desse grande escândalo financeiro. Todos são tratados com candura ou mantidos em obsequioso segredo.

É que, para nossa mídia orwelliana, todos são iguais, mas alguns são mais iguais do que outros.


(*) Antonio Lassance é cientista político.

(**) A expressão SwissLeaks se refere aos vazamentos ('leaks') que permitiram que investigações sob segredo de justiça se tornassem públicas. A Suíça ('Swiss') foi o destino preferido do dinheiro roubado.
(***) Extraído da Revista Carta Maior.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

A Vingança de Gaia


Artigo de renomado cientista. Suas previsões, a seca pelo planeta, as mudanças climáticas e a sustentabilidade em que acredita. O artigo de Lovelock nos remete a um questionamento, haveria tempo de uma saída sustentável de desenvolvimento para conservar a humanidade nos moldes que a conhecemos.

Para Lovelock, não!!!Para o cientista James Lovelock, aquecimento global é inevitável e 6 bilhões de pessoas vão morrer.

Aos 88 anos, depois de quatro filhos e uma carreira longa e respeitada como um dos cientistas mais influentes do século 20, James Lovelock chegou a uma conclusão desconcertante: a raça humana está condenada. "Gostaria de ser mais esperançoso", ele me diz em uma manhã ensolarada enquanto caminhamos em um parque em Oslo (Noruega), onde o estudioso fará uma palestra em uma universidade. Lovelock é baixinho, invariavelmente educado, com cabelo branco e óculos redondos que lhe dão ares de coruja. Seus passos são gingados; sua mente, vívida; seus modos, tudo menos pessimistas. Aliás, a chegada dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse - guerra, fome, pestilência e morte - parece deixá-lo animado. "Será uma época sombria", reconhece. "Mas, para quem sobreviver, desconfio que vá ser bem emocionante."

Na visão de Lovelock, até 2020, secas e outros extremos climáticos serão lugar-comum. Até 2040, o Saara vai invadir a Europa, e Berlim será tão quente quanto Bagdá. Atlanta acabará se transformando em uma selva de trepadeiras kudzu. Phoenix se tornará um lugar inabitável, assim como partes de Beijing (deserto), Miami (elevação do nível do mar) e Londres (enchentes). A falta de alimentos fará com que milhões de pessoas se dirijam para o norte, elevando as tensões políticas. "Os chineses não terão para onde ir além da Sibéria", sentencia Lovelock. "O que os russos vão achar disso? Sinto que uma guerra entre a Rússia e a China seja inevitável." Com as dificuldades de sobrevivência e as migrações em massa, virão as epidemias. Até 2100, a população da Terra encolherá dos atuais 6,6 bilhões de habitantes para cerca de 500 milhões, sendo que a maior parte dos sobreviventes habitará altas latitudes - Canadá, Islândia, Escandinávia, Bacia Ártica.

Até o final do século, segundo o cientista, o aquecimento global fará com que zonas de temperatura como a América do Norte e a Europa se aqueçam quase 8 graus Celsius - quase o dobro das previsões mais prováveis do relatório mais recente do Painel Intergovernamental sobre a Mudança Climática, a organização sancionada pela ONU que inclui os principais cientistas do mundo. "Nosso futuro", Lovelock escreveu, "é como o dos passageiros em um barquinho de passeio navegando tranqüilamente sobre as cataratas do Niagara, sem saber que os motores em breve sofrerão pane". E trocar as lâmpadas de casa por aquelas que economizam energia não vai nos salvar. Para Lovelock, diminuir a poluição dos gases responsáveis pelo efeito estufa não vai fazer muita diferença a esta altura, e boa parte do que é considerado desenvolvimento sustentável não passa de um truque para tirar proveito do desastre. "Verde", ele me diz, só meio de piada, "é a cor do mofo e da corrupção."

Se tais previsões saíssem da boca de qualquer outra pessoa, daria para rir delas como se fossem devaneios. Mas não é tão fácil assim descartar as idéias de Lovelock. Na posição de inventor, ele criou um aparelho que ajudou a detectar o buraco crescente na camada de ozônio e que deu início ao movimento ambientalista da década de 1970. E, na posição de cientista, apresentou a teoria revolucionária conhecida como Gaia - a idéia de que nosso planeta é um superorganismo que, de certa maneira, está "vivo". Essa visão hoje serve como base a praticamente toda a ciência climática. Lynn Margulis, bióloga pioneira na Universidade de Massachusetts (Estados Unidos), diz que ele é "uma das mentes científicas mais inovadoras e rebeldes da atualidade". Richard Branson, empresário britânico, afirma que Lovelock o inspirou a gastar bilhões de dólares para lutar contra o aquecimento global. "Jim é um cientista brilhante que já esteve certo a respeito de muitas coisas no passado", diz Branson. E completa: "Se ele se sente pessimista a respeito do futuro, é importante para a humanidade prestar atenção."

Lovelock sabe que prever o fim da civilização não é uma ciência exata. "Posso estar errado a respeito de tudo isso", ele admite. "O problema é que todos os cientistas bem intencionados que argumentam que não estamos sujeitos a nenhum perigo iminente baseiam suas previsões em modelos de computador. Eu me baseio no que realmente está acontecendo."

Quando você se aproxima da casa de Lovelock em Devon, uma área rural no sudoeste da Inglaterra, a placa no portão de metal diz, claramente: "Estação Experimental de Coombe Mill. Local de um novo hábitat. Por favor, não entre nem incomode".

Depois de percorrer algumas centenas de metros em uma alameda estreita, ao lado de um moinho antigo, fica uma casinha branca com telhado de ardósia onde Lovelock mora com a segunda mulher, Sandy, uma norte-americana, e seu filho mais novo, John, de 51 anos e que tem incapacidade leve. É um cenário digno de conto de fadas, cercado de 14 hectares de bosques, sem hortas nem jardins com planejamento paisagístico. Parcialmente escondida no bosque fica uma estátua em tamanho natural de Gaia, a deusa grega da Terra, em homenagem à qual James Lovelock batizou sua teoria inovadora.

A maior parte dos cientistas trabalha às margens do conhecimento humano, adicionando, aos poucos, nova informações para a nossa compreensão do mundo. Lovelock é um dos poucos cujas idéias fomentaram, além da revolução científica, também a espiritual. "Os futuros historiadores da ciência considerarão Lovelock como o homem que inspirou uma mudança digna de Copérnico na maneira como nos enxergamos no mundo", prevê Tim Lenton, pesquisador de clima na Universidade de East Anglia, na Inglaterra. Antes de Lovelock aparecer, a Terra era considerada pouco mais do que um pedaço de pedra aconchegante que dava voltas em torno do Sol. De acordo com a sabedoria em voga, a vida evoluiu aqui porque as condições eram adequadas: não muito quente nem muito frio, muita água. De algum modo, as bactérias se transformaram em organismos multicelulares, os peixes saíram do mar e, pouco tempo depois, surgiu Britney Spears.

Na década de 1970, Lovelock virou essa idéia de cabeça para baixo com uma simples pergunta: Por que a Terra é diferente de Marte e de Vênus, onde a atmosfera é tóxica para a vida? Em um arroubo de inspiração, ele compreendeu que nossa atmosfera não foi criada por eventos geológicos aleatórios, mas sim devido à efusão de tudo que já respirou, cresceu e apodreceu. Nosso ar "não é meramente um produto biológico", James Lovelock escreveu. "É mais provável que seja uma construção biológica: uma extensão de um sistema vivo feito para manter um ambiente específico." De acordo com a teoria de Gaia, a vida é participante ativa que ajuda a criar exatamente as condições que a sustentam. É uma bela idéia: a vida que sustenta a vida. Também estava bem em sintonia com o tom pós-hippie dos anos 70. Lovelock foi rapidamente adotado como guru espiritual, o homem que matou Deus e colocou o planeta no centro da experiência religiosa da Nova Era. O maior erro de sua carreira, aliás, não foi afirmar que o céu estava caindo, mas deixar de perceber que estava. Em 1973, depois de ser o primeiro a descobrir que os clorofluocarbonetos (CFCs), um produto químico industrial, tinham poluído a atmosfera, Lovelock declarou que a acumulação de CFCs "não apresentava perigo concebível". De fato, os CFCs não eram tóxicos para a respiração, mas estavam abrindo um buraco na camada de ozônio. Lovelock rapidamente revisou sua opinião, chamando aquilo de "uma das minhas maiores bolas fora", mas o erro pode ter lhe custado um prêmio Nobel.

No início, ele também não considerou o aquecimento global como uma ameaça urgente ao planeta. "Gaia é uma vagabunda durona", ele explica com freqüência, tomando emprestada uma frase cunhada por um colega. Mas, há alguns anos, preocupado com o derretimento acelerado do gelo no Ártico e com outras mudanças relacionadas ao clima, ele se convenceu de que o sistema de piloto automático de Gaia está seriamente desregulado, tirado dos trilhos pela poluição e pelo desmatamento. Lovelock acredita que o planeta vai recuperar seu equilíbrio sozinho, mesmo que demore milhões de anos. Mas o que realmente está em risco é a civilização. "É bem possível considerar seriamente as mudanças climáticas como uma resposta do sistema que tem como objetivo se livrar de uma espécie irritante: nós, os seres humanos", Lovelock me diz no pequeno escritório que montou em sua casa. "Ou pelo menos fazer com que diminua de tamanho."

Se você digitar "gaia" e "religion" no Google, vai obter 2,36 milhões de páginas - praticantes de wicca, viajantes espirituais, massagistas e curandeiros sexuais, todos inspirados pela visão de Lovelock a respeito do planeta. Mas se você perguntar a ele sobre cultos pagãos, ele responde com uma careta: não tem interesse na espiritualidade desmiolada nem na religião organizada, principalmente quando coloca a existência humana acima de tudo o mais. Em Oxford, certa vez ele se levantou e repreendeu Madre Teresa por pedir à platéia que cuidasse dos pobres e "deixasse que Deus tomasse conta da Terra". Como Lovelock explicou a ela, "se nós, as pessoas, não respeitarmos a Terra e não tomarmos conta dela, podemos ter certeza de que ela, no papel de Gaia, vai tomar conta de nós e, se necessário for, vai nos eliminar".

Gaia oferece uma visão cheia de esperança a respeito de como o mundo funciona. Afinal de contas, se a Terra é mais do que uma simples pedra que gira ao redor do sol, se é um superorganismo que pode evoluir, isso significa que existe certa quantidade de perdão embutida em nosso mundo - e essa é uma conclusão que vai irritar profundamente estudiosos de biologia e neodarwinistas de absolutamente todas as origens.

Para Lovelock, essa é uma idéia reconfortante. Considere a pequena propriedade que ele tem em Devon. Quando ele comprou o terreno, há 30 anos, era rodeada por campos aparados por mil anos de ovelhas pastando. E ele se empenhou em devolver a seus 14 hectares um caráter mais próximo do natural. Depois de consultar um engenheiro florestal, plantou 20 mil árvores - amieiros, carvalhos, pinheiros. Infelizmente, plantou muitas delas próximas demais, e em fileiras. Agora, as árvores estão com cerca de 12 metros de altura, mas em vez de ter ar "natural", partes do terreno dele parecem simplesmente um projeto de reflorestamento mal executado. "Meti os pés pelas mãos", Lovelock diz com um sorriso enquanto caminhamos no bosque. "Mas, com o passar dos anos, Gaia vai dar um jeito."

Até pouco tempo atrás, Lovelock achava que o aquecimento global seria como sua floresta meia-boca - algo que o planeta seria capaz de corrigir. Então, em 2004, Richard Betts, amigo de Lovelock e pesquisador no Centro Hadley para as Mudanças Climáticas - o principal instituto climático da Inglaterra -, convidou-o para dar uma passada lá e bater um papo com os cientistas. Lovelock fez reunião atrás de reunião, ouvindo os dados mais recentes a respeito do gelo derretido nos pólos, das florestas tropicais cada vez menores, do ciclo de carbono nos oceanos. "Foi apavorante", conta.

"Mostraram para nós cinco cenas separadas de respostas positivas em climas regionais - polar, glacial, floresta boreal, floresta tropical e oceanos -, mas parecia que ninguém estava trabalhando nas conseqüências relativas ao planeta como um todo." Segundo ele, o tom usado pelos cientistas para falar das mudanças que testemunharam foi igualmente de arrepiar: "Parecia que estavam discutindo algum planeta distante ou um universo-modelo, em vez do lugar em que todos nós, a humanidade, vivemos".

Quando Lovelock estava voltando para casa em seu carro naquela noite, a compreensão lhe veio. A capacidade de adaptação do sistema se perdera. O perdão fora exaurido. "O sistema todo", concluiu, "está em modo de falha." Algumas semanas depois, ele começou a trabalhar em seu livro mais pessimista, A Vingança de Gaia, publicado no Brasil em 2006. Na sua visão, as falhas nos modelos climáticos computadorizados são dolorosamente aparentes. Tome como exemplo a incerteza relativa à projeção do nível do mar: o IPCC, o painel da ONU sobre mudanças climáticas, estima que o aquecimento global vá fazer com que a temperatura média da Terra aumente até 6,4 graus Celsius até 2100. Isso fará com que geleiras em terra firme derretam e que o mar se expanda, dando lugar à elevação máxima do nível de mar de apenas pouco menos de 60 centímetros. A Groenlândia, de acordo com os modelos do IPCC, demorará mil anos para derreter.

Mas evidências do mundo real sugerem que as estimativas do IPCC são conservadoras demais. Para começo de conversa, os cientistas sabem, devido aos registros geológicos, que há 3 milhões de anos, quando as temperaturas subiram cinco graus acima dos níveis atuais, os mares subiram não 60 centímetros, mas 24 metros. Além do mais, medidas feitas por satélite recentemente indicam que o Ártico está derretendo com tanta rapidez que a região pode ficar totalmente sem gelo até 2030. "Quem elabora os modelos não tem a menor noção sobre derretimento de placas de gelo", desdenha o estudioso, sem sorrir.

Mas não é apenas o gelo que invalida os modelos climáticos. Sabe-se que é difícil prever corretamente a física das nuvens, e fatores da biosfera, como o desmatamento e o derretimento da Tundra, raramente são levados em conta. "Os modelos de computador não são bolas de cristal", argumenta Ken Caldeira, que elabora modelos climáticos na Universidade de Stanford, cuja carreira foi profundamente influenciada pelas idéias de Lovelock. "Ao observar o passado, fazemos estimativas bem informadas em relação ao futuro. Os modelos de computador são apenas uma maneira de codificar esse conhecimento acumulado em apostas automatizadas e bem informadas."

Aqui, em sua essência supersimplificada, está o cenário pessimista de Lovelock: o aumento da temperatura significa que mais gelo derreterá nos pólos, e isso significa mais água e terra. Isso, por sua vez, faz aumentar o calor (o gelo reflete o sol, a terra e a água o absorvem), fazendo com que mais gelo derreta. O nível do mar sobe. Mais calor faz com que a intensidade das chuvas aumente em alguns lugares e com que as secas se intensifiquem em outros. As florestas tropicais amazônicas e as grandes florestas boreais do norte - o cinturão de pinheiros e píceas que cobre o Alasca, o Canadá e a Sibéria - passarão por um estirão de crescimento, depois murcharão até desaparecer. O solo permanentemente congelado das latitudes do norte derrete, liberando metano, um gás que contribui para o efeito estufa e que é 20 vezes mais potente do que o CO2... e assim por diante. Em um mundo de Gaia funcional, essas respostas positivas seriam moduladas por respostas negativas, sendo que a maior de todas é a capacidade da Terra de irradiar calor para o espaço. Mas, a certa altura, o sistema de regulagem pára de funcionar e o clima dá um salto - como já aconteceu muitas vezes no passado - para uma nova situação, mais quente. Não é o fim do mundo, mas certamente é o fim do mundo como o conhecemos.

O cenário pessimista de Lovelock é desprezado por pesquisadores de clima de renome, sendo que a maior parte deles rejeita a idéia de que haja um único ponto de desequilíbrio para o planeta inteiro. "Ecossistemas individuais podem falhar ou as placas de gelo podem entrar em colapso", esclarece Caldeira, "mas o sistema mais amplo parece ser surpreendentemente adaptável." No entanto, vamos partir do princípio, por enquanto, de que Lovelock esteja certo e que de fato estejamos navegando por cima das cataratas do Niagara. Simplesmente vamos acenar antes de cair? Na visão de Lovelock, reduções modestas de emissões de gases que contribuem para o efeito estufa não vão nos ajudar - já é tarde demais para deter o aquecimento global trocando jipões a diesel por carrinhos híbridos. E a idéia de capturar a poluição de dióxido de carbono criada pelas usinas a carvão e bombear para o subsolo? "Não há como enterrar quantidade suficiente para fazer diferença." Biocombustíveis? "Uma idéia monumentalmente idiota." Renováveis? "Bacana, mas não vão nem fazer cócegas." Para Lovelock, a idéia toda do desenvolvimento sustentável é equivocada: "Deveríamos estar pensando em retirada sustentável".

A retirada, na visão dele, significa que está na hora de começar a discutir a mudança do lugar onde vivemos e de onde tiramos nossos alimentos; a fazer planos para a migração de milhões de pessoas de regiões de baixa altitude, como Bangladesh, para a Europa; a admitir que Nova Orleans já era e mudar as pessoas para cidades mais bem posicionadas para o futuro. E o mais importante de tudo é que absolutamente todo mundo "deve fazer o máximo que pode para sustentar a civilização, de modo que ela não degenere para a Idade das Trevas, com senhores guerreiros mandando em tudo, o que é um perigo real. Assim, podemos vir a perder tudo".

Até os amigos de Lovelock se retraem quando ele fala assim. "Acho que ele está deixando nossa cota de desespero no negativo", diz Chris Rapley, chefe do Museu de Ciência de Londres, que se empenhou com afinco para despertar a consciência mundial sobre o aquecimento global. Outros têm a preocupação justificada de que as opiniões de Lovelock sirvam para dispersar o momento de concentração de vontade política para impor restrições pesadas às emissões de gases poluentes que contribuem para o efeito estufa. Broecker, o paleoclimatologista de Columbia, classifica a crença de Lovelock de que reduzir a poluição é inútil como "uma bobagem perigosa".

"Eu gostaria de poder dizer que turbinas de vento e painéis solares vão nos salvar", Lovelock responde. "Mas não posso. Não existe nenhum tipo de solução possível. Hoje, há quase 7 bilhões de pessoas no planeta, isso sem falar nos animais. Se pegarmos apenas o CO2 de tudo que respira, já é 25% do total - quatro vezes mais CO2 do que todas as companhias aéreas do mundo. Então, se você quer diminuir suas emissões, é só parar de respirar. É apavorante. Simplesmente ultrapassamos todos os limites razoáveis em números. E, do ponto de vista puramente biológico, qualquer espécie que faz isso tem que entrar em colapso."

Mas isso não é sugerir, no entanto, que Lovelock acredita que deveríamos ficar tocando harpa enquanto assistimos o mundo queimar. É bem o contrário. "Precisamos tomar ações ousadas", ele insiste. "Temos uma quantidade enorme de coisas a fazer." De acordo com a visão dele, temos duas escolhas: podemos retornar a um estilo de vida mais primitivo e viver em equilíbrio com o planeta como caçadores-coletores ou podemos nos isolar em uma civilização muito sofisticada, de altíssima tecnologia. "Não há dúvida sobre que caminho eu preferiria", diz certa manhã, em sua casa, com um sorriso aberto no rosto enquanto digita em seu computador. "Realmente, é uma questão de como organizamos a sociedade - onde vamos conseguir nossa comida, nossa água. Como vamos gerar energia."

Em relação à água, a resposta é bem direta: usinas de dessalinização, que são capazes de transformar água do mar em água potável. O suprimento de alimentos é mais difícil: o calor e a seca vão acabar com a maior parte das regiões de plantações de alimentos hoje existentes. Também vão empurrar as pessoas para o norte, onde vão se aglomerar em cidades. Nessas áreas, não haverá lugar para quintais ajardinados. Como resultado, Lovelock acredita, precisaremos sintetizar comida - teremos que criar alimentos em barris com culturas de tecidos de carnes e vegetais. Isso parece muito exagerado e profundamente desagradável, mas, do ponto de vista tecnológico, não será difícil de realizar.

O fornecimento contínuo de eletricidade também será vital, segundo ele. Cinco dias depois de visitar o centro Hadley, Lovelock escreveu um artigo opinativo polêmico, intitulado: "Energia nuclear é a única solução verde". Lovelock argumentava que "devemos usar o pequeno resultado dos renováveis com sensatez", mas que "não temos tempo para fazer experimentos com essas fontes de energia visionárias; a civilização está em perigo iminente e precisa usar a energia nuclear - a fonte de energia mais segura disponível - agora ou sofrer a dor que em breve será infligida a nosso planeta tão ressentido".

Ambientalistas urraram em protesto, mas qualquer pessoa que conhecia o passado de Lovelock não se surpreendeu com sua defesa à energia nuclear. Aos 14 anos, ao ler que a energia do sol vem de uma reação nuclear, ele passou a acreditar que a energia nuclear é uma das forças fundamentais no universo. Por que não aproveitá-la? No que diz respeito aos perigos - lixo radioativo, vulnerabilidade ao terrorismo, desastres como o de Chernobyl - Lovelock diz que este é dos males o menos pior: "Mesmo que eles tenham razão a respeito dos perigos, e não têm, continua não sendo nada na comparação com as mudanças climáticas".

Como último recurso, para manter o planeta pelo menos marginalmente habitável, Lovelock acredita que os seres humanos podem ser forçados a manipular o clima terrestre com a construção de protetores solares no espaço ou instalando equipamentos para enviar enormes quantidades de CO2 para fora da atmosfera. Mas ele considera a geoengenharia em larga escala como um ato de arrogância - "Imagino que seria mais fácil um bode se transformar em um bom jardineiro do que os seres humanos passarem a ser guardiões da Terra". Na verdade, foi Lovelock que inspirou seu amigo Richard Branson a oferecer um prêmio de US$ 25 milhões para o "Virgin Earth Challenge" (Desafio Virgin da Terra), que será concedido à primeira pessoa que conseguir criar um método comercialmente viável de remover os gases responsáveis pelo efeito estufa da atmosfera. Lovelock é juiz do concurso, por isso não pode participar dele, mas ficou intrigado com o desafio. Sua mais recente idéia: suspender centenas de milhares de canos verticais de 18 metros de comprimento nos oceanos tropicais, colocar uma válvula na base de cada cano e permitir que a água das profundezas, rica em nutrientes, seja bombeada para a superfície pela ação das ondas. Os nutrientes das águas das profundezas aumentariam a proliferação das algas, que consumiriam o dióxido de carbono e ajudariam a resfriar o planeta. "É uma maneira de contrabalançar o sistema de energia natural da Terra usando ele próprio", Lovelock especula. "Acho que Gaia aprovaria."

Oslo é o tipo perfeito de cidade para Lovelock. Fica em latitudes do norte, que ficarão mais temperadas na medida em que o clima for esquentando; tem água aos montes; graças a suas reservas de petróleo e gás, é rica; e lá já há muito pensamento criativo relativo à energia, incluindo, para a satisfação de Lovelock, discussões renovadas a respeito da energia nuclear. "A questão principal a ser discutida aqui é como manejar as hordas de pessoas que chegarão à cidade", Lovelock avisa. "Nas próximas décadas, metade da população do sul da Europa vai tentar se mudar para cá."

Nós nos dirigimos para perto da água, passando pelo castelo de Akershus, uma fortaleza imponente do século 13 que funcionou como quartel-general nazista durante a ocupação da cidade na Segunda Guerra Mundial. Para Lovelock, os paralelos entre o que o mundo enfrentou naquela época e o que enfrenta hoje são bem claros. "Em certos aspectos, é como se estivéssemos de novo em 1939", ele afirma. "A ameaça é óbvia, mas não conseguimos nos dar conta do que está em jogo. Ainda estamos falando de conciliação."

Naquele tempo, como hoje, o que mais choca Lovelock é a ausência de liderança política. Apesar de respeitar as iniciativas de Al Gore para conscientizar as pessoas, não acredita que nenhum político tenha chegado perto de nos preparar para o que vem por aí. "Em muito pouco tempo, estaremos vivendo em um mundo desesperador, comenta Lovelock. Ele acredita que está mais do que na hora para uma versão "aquecimento global" do famoso discurso que Winston Churchill fez para preparar a Grã-Bretanha para a Segunda Guerra Mundial: "Não tenho nada a oferecer além de sangue, trabalho, lágrimas e suor". "As pessoas estão prontas para isso", Lovelock dispara quando passamos sob a sombra do castelo. "A população entende o que está acontecendo muito melhor do que a maior parte dos políticos."

Independentemente do que o futuro trouxer, é provável que Lovelock não esteja por aí para ver. "O meu objetivo é viver uma vida retangular: longa, forte e firme, com uma queda rápida no final", sentencia. Lovelock não apresenta sinais de estar se aproximando de seu ponto de queda. Apesar de já ter passado por 40 operações, incluindo ponte de safena, continua viajando de um lado para o outro no interior inglês em seu Honda branco, como um piloto de Fórmula 1. Ele e Sandy recentemente passaram um mês de férias na Austrália, onde visitaram a Grande Barreira de Corais. O cientista está prestes a começar a escrever mais um livro sobre Gaia. Richard Branson o convidou para o primeiro vôo do ônibus espacial Virgin Galactic, que acontecerá no fim do ano que vem - "Quero oferecer a ele a visão de Gaia do espaço", diz Branson. Lovelock está ansioso para fazer o passeio, e planeja fazer um teste em uma centrífuga até o fim deste ano para ver se seu corpo suporta as forças gravitacionais de um vôo espacial. Ele evita falar de seu legado, mas brinca com os filhos dizendo que quer ver gravado na lápide de seu túmulo: "Ele nunca teve a intenção de ser conciliador".

Em relação aos horrores que nos aguardam, Lovelock pode muito bem estar errado. Não por ter interpretado a ciência erroneamente (apesar de isso certamente ser possível), mas por ter interpretado os seres humanos erroneamente. Poucos cientistas sérios duvidam que estejamos prestes a viver uma catástrofe climática. Mas, apesar de toda a sensibilidade de Lovelock para a dinâmica sutil e para os ciclos de resposta no sistema climático, ele se mostra curiosamente alheio à dinâmica sutil e aos ciclos de resposta no sistema humano. Ele acredita que, apesar dos nossos iPhones e dos nossos ônibus espaciais, continuamos sendo animais tribais, amplamente incapazes de agir pelo bem maior ou de tomar decisões de longo prazo que garantam nosso bem-estar. "Nosso progresso moral", diz Lovelock, "não acompanhou nosso progresso tecnológico."

Mas talvez seja exatamente esse o motivo do apocalipse que está por vir. Uma das questões que fascina Lovelock é a seguinte: A vida vem evoluindo na Terra há mais de 3 bilhões de anos - e por que motivo? "Gostemos ou não, somos o cérebro e o sistema nervoso de Gaia", ele explica. "Agora, assumimos responsabilidade pelo bem-estar do planeta. Como vamos lidar com isso?"

Enquanto abrimos caminho no meio dos turistas que se dirigem para o castelo, é fácil olhar para eles e ficar triste. Mais difícil é olhar para eles e ter esperança. Mas quando digo isso a Lovelock, ele argumenta que a raça humana passou por muitos gargalos antes - e que talvez sejamos melhores por causa disso. Então ele me conta a história de um acidente de avião, anos atrás, no aeroporto de Manchester. "Um tanque de combustível pegou fogo durante a decolagem", recorda. "Havia tempo de sobra para todo mundo sair, mas alguns passageiros simplesmente ficaram paralisados, sentados nas poltronas, como tinham lhes dito para fazer, e as pessoas que escaparam tiveram que passar por cima deles para sair. Era perfeitamente óbvio o que era necessário fazer para sair, mas eles não se mexiam. Morreram carbonizados ou asfixiados pela fumaça. E muita gente, fico triste em dizer, é assim. E é isso que vai acontecer desta vez, só que em escala muito maior."

Lovelock olha para mim com olhos azuis muito firmes. "Algumas pessoas vão ficar sentadas na poltrona sem fazer nada, paralisadas de pânico. Outras vão se mexer. Vão ver o que está prestes a acontecer, e vão tomar uma atitude, e vão sobreviver. São elas que vão levar a civilização em frente."

(Tradução de Ana Ban)

domingo, 21 de dezembro de 2014

Operação Lava Jato, ou ¨PIZZA JATO ???


O DELATOR É TUCANO
O ESTADO DO PARANÁ....TUCANO
A IMPRENSA....QUASE TODA TUCANA
A PF....TUCANOU TAMBÉM...
ATÉ A MARMELADA É À TUCANA....

PIZZA PIZZA PIZZA PIZZA PIZZA PIZZA

QUEM ESPERAVA MAIS DO DELATOR TUCANO PAULO ROBERTO DA COSTA SE DECEPCIONOU. DO PSDB, ENTREGOU APENAS UM POLÍTICO, JÁ FALECIDO. SERGIO GUERRA PRESIDENTE DO PSDB TERIA RECEBIDO PROPINA PARA DIVIDIR ENTRE PARLAMENTARES E ESVAZIAR CPI. 
SÓ ISSO ? QUEM SÃO OS PARLAMENTARES QUE FATIARAM MAIS ESTE MESADÃO TUCANO ???

O DELATOR ENTREGOU NOMES INCLUSIVE, QUE NADA TEM HAVER COM O ESQUEMA, E TERÁ QUE APRESENTAR PROVAS, LEMBRANDO QUE DOAÇÕES À CAMPANHAS, LEGAIS E APROVADAS PELO TSE NÃO CONTAM....

VAMOS AGUARDAR CENAS...ENQUANTO ISSO, O PATRIMÔNIO LÍ-QUI-DO DA PETROBRÁS NÃO PARA DE CRESCER.



Acompanhem as cotações das ações da Petrobrás em tempo real:

Quem pode comprar ações, e como: Basta acessar os links abaixo:
Quem pode comprar ações da Petrobrás: 

Como comprar ações da Petrobrás: 

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Como Acabar Com a Petrobrás e Derrubar a Ibovespa ???



Leia este artigo e conheça os verdadeiros vilões, caso o objetivo de enterrar a empresa se confirme...

Um dia lindo de Sol na cidade maravilhosa, uma sexta-feira que promete praia no fim de semana com céu azul e mar perfeito para nadar. Você vai até o pregão da bolsa de valores, que fica na passagem de seu trabalho. Como de costume e vício, dar uma olhada no pregão e ver o desempenho de suas ações. E então, o mundo parece sem chão. Petrobrás caiu 5%, Vale do Rio Doce caiu 5%? A bolsa no total teve perda de mais de 10% com o pregão interrompido e ninguém previu isso?  Esse cenário não é fictício e não é 1929, muito menos nos EUA. É no Rio de Janeiro de 1989, Brasil. Caro leitor, se você já parou um pouco para olhar ao seu redor, vê a todo instante que o tempo não para. Se tem filhos, observa o quanto eles cresceram, aquelas brincadeiras pequenas de bola e bonecas já não existem. Se tem netos, eles já não ligam para você pois não é mais o tempo deles. Os interesses são outros e mesmo seus amigos devem ser reinventados a todo instante, assim como sua relação de amizade. Fatos que outrora eram importantes, agora são passado. Mas tudo tem uma história, e é a história escrita na sua mente que faz a vida evoluir. País e pessoas que não aprendem com a história cometem sempre os mesmos erros e nunca evoluem. Todos os países desenvolvidos guardam em seus arquivos a história de seu passado e insistem a todo instante em mostrar aos cidadãos para que os erros não voltem.  O jornal a Folha de S. Paulo possui um arquivo simplesmente fantástico e que deve ser visitado por todos. Ler os jornais de épocas passadas nos faz viver e vivenciar o clima da época e o que as pessoas diziam ou justificavam. Os arquivos estão digitalizados desde 1921 no site acervoFolha, que vale à pena ser visitado. É interessante visitar para relembrar como é um erro idolatrar pessoas ou empresas.  Nos dias atuais, assim como no passado, pessoas adoram idolatrar empresários que nem conhecem, confiam seu patrimônio, o tomam com ardor e fervor como se fosse um parente, um time de futebol ou uma escola de samba. É comum observar fóruns dos pós e contras, os bate-bocas que nunca levam a nada, sobre os fervorosos defensores e acusadores desses empresários. Os "entendidos" do mercado gostam de se vangloriar que conhecem a empresa "x" ou "y" e que seu dono é o midas, o que "ele faz eu faço". "O Brasil precisa se espelhar nele! "  Também foi assim no passado, e muita, mas muita gente perdeu pelo menos 1/3 do patrimonio investido em Bolsa em apenas uma semana por confiar nos mesmos métodos que um certo empresário empregava. Segundo está relatado no acervo da Folha, o empresário Naji Nahas foi o responsável direto pelo fechamento da bolsa de valores do Rio de Janeiro. Ele nega em todas as reportagens e diz que seu ato foi legal. A justiça brasileira também assim entendeu, apesar de levar a bancarrota uma bolsa de valores inteira, e ser inocentado do crime de cheque sem fundo, totalizando um valor de NCz$ 500 milhões (cruzados novos era a moeda em 1989).  O libanês-brasileiro Naji Nahas chegou ao Brasil em 1969 com CR$50 milhões (era cruzeiros na época) e um ano depois já tinha uma fortuna de CR$1 bilhão em 1970, segundo a folha. Sua fortuna se deve à uma associação com uma grande firma que operava com negócios do metal prata no mundo, chegando essa firma a ter em mãos 10% de toda prata mundial. Esse foi o início da carreira meteórica de Naji Nahas que passou a ficar famoso, a ser o midas do mercado, a ser idolatrado como o "empresário" de visão, a ter espaço livre nos corredores da política, e especialmente da Justiça.  No dia 4 de Junho de 1989 a folha noticiou: "Bolsas do Brasil são as que mais rendem em 88". Foi uma entrevista com o presidente da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, Sérgio Barcellos, que dizia: "...infelizmente há uma grande desconfiança na estabilidade das regras no Brasil...". Ele dizia na reportagem que ficava indignado com isso, pois todo mundo fora do país se perguntava por que o brasileiro não investe mais na bolsa, país carente que precisa de investimentos. O presidente voltava de um seminário no Japão e chegou a ponto de comparar a bolsa do Rio com a de Tóquio dizendo que eles, os japoneses, estavam atrasados. Era muita burocracia e os negócios iam primeiro para o terminal e só depois que eram avaliados os negócios eram fechados. "Na bolsa do Rio os negócios são fechados automaticamente na boca do posto".  Os investidores estavam felizes, mais gente era convocada para entrar nas bolsas, em reportagens que se seguiram e muitos investidores se esqueceram que uma moratória estava sendo imposta pelo presidente José Sarney e a comissão do FMI estava no Brasil apertando de todos os lados. A bolsa era um mundo, o Brasil era outro.  Mas no dia 9 de Junho, inesperadamente as bolsas de São Paulo caíram de repente 5% com algum boato. O boato que era verdade e ninguém esperava, era que o empresário Naji Nahas tinha ludibriado a bolsa com um cheque sem fundo de NCz$ 30 milhões. O fato nem parecia tão grave assim, pois no Sábado apenas uma notícia sobre o fato apareceu no caderno de Economia da folha: "Cheque sem fundo de Empresário derruba Bolsas". A notícia dava conta que a Bovespa havia caído 5,6% e a Bolsa do Rio 4,5%. Segundo a reportagem eram dois cheques sem fundo, um de NCz$39 milhões e outro de NCz$300 milhões. Fora outros ainda desconhecidos, se estimava que seriam NCz$500 milhões. Mas o mais preocupante era que se noticiava que na segunda-feira nenhuma bolsa de valores no Brasil estaria aberta.  Foi o que bastou para pegar todos os investidores desprevinidos e gerar pânico no mercado de ações brasileiro. Bolsa fechada? A reportagem dizia não ter encontrado o empresário para falar e explicar o que ocorreu. Na verdade, em reportagens publicadas posteriormente se descobre que Naji Nahas estava dentro do Banco Central dizendo que não ia colocar seus bens para pagar nada. Apenas aceitava devolver as ações que não honrou, mas nunca colocaria seu patrimônio, pois tinha agido de maneira legal.  O fato então se tornou nacional com o minstro da fazenda Maílson da Nóbrega se negando a colocar dinheiro público para salvar bolsa ou empresas. O gráfico ao lado mostra a enxurrada de reportagens que então dispertou o interesse público e colocou mais pânico no mercado nacional. De apenas uma reportagem por dia, no dia 14 de Junho praticamente todo o caderno de Economia só falava sobre a fraude de Naji Nahas, com 14 reportagens sobre o assunto.  No dia 12 de Junho a folha saía com a notícia: " Caso Nahas impede abertura das Bolsas hoje". O presidente da Bolsa do Rio correu desesperado para algum financiador cobrir os cheques, o que se mostrou em vão conforme reportagem "Mercado acionário quer financiador para Nahas". Uma quantidade enorme de informações começou a aparecer e explicar o processo.  Naquela época você podia comprar ações sem ter dinheiro, pegando emprestado de um financiador e pagando 5 dias depois. Então, mesmo sem dinheiro, se o mercado subisse você poderia vender suas ações, fazer dinheiro e pagar o financiador depois.  No entanto o que Nahas fez foi pegar dinheiro de um financiador e comprar ações. Antes de pagar esse financiador com as altas das ações ele vendia e pegava mais crédito com outro financiador para comprar mais ações e no dia seguinte vendia. Pegava mais dinheiro com outro financiador e comprava mais ações com as altas do dia seguinte.  O primeiro financiador só receberia no quinto dia, o segundo no sexto dia depois do primeiro, o terceiro no sétimo e assim por diante. Quando se esgotavam os dias o processo começava novamente.    
As coisas mudaram com o passar dos anos, e os modais de ataques especulativos também. Muitos utilizam-se do mercado acionário de forma criminosa. Os fundos abutres são um claro exemplo disso e nossas empresas e mercado de ações não estão livres.
O que acontece hoje com a Petrobrás, principal responsável pela queda vertiginosa do Ibovespa e demais pregões pelo mundo é de uma irresponsabilidade sem precedentes, e o pior, protagonizado por quem deveria defender a empresa.

O maior escândalo, visível a olho nu, é a forma como a Petrobrás vem recebendo ataques.  O que deveria ser tratado como ¨sigilo de justiça¨ , para salvaguardar o capital da empresa, ocorre apenas quando os nomes de políticos e partidos, são ligados a oposição ao governo. Ocorrências de corrupção são pré julgadas pela grande imprensa e divulgados de forma apátrida e irresponsável. Diariamente os ataques noticiosos minam o valor de mercado da Petrobrás...até quando irá aguentar e quanto mais suas ações cairão não sabemos. De certo temos apenas a convicção que ¨eles¨ não vão desistir da conduta especulativa, até que a estatal vá a banca rota. Nunca se observou neste país atitude lesa pátria mais contundente e perversa.
Não precisamos mais de Nahas, Soros e fundos abutres para nos mandar para o ¨limbo¨, agora temos uma imprensa COVARDE, um Legislativo inoperante que não conhece suas responsabilidades perante o patrimônio que ora ajudam a minar, ao não se definirem logo como ¨base, e um Judiciário OMISSO, que vem pendendo apenas para ¨um lado¨, em clara demonstração que SIM, a justiça é cega neste país.
Que fique bem claro um fato. Todo aquele que não precisa de TV, Jornais, Revistas e Internet para pensar, saberá contar esta história no futuro.
Se a Petrobrás estará neste futuro, de certo é que, todo aquele que tiver um patrimônio a investir em ações, e não necessitar resgatá-lo por alguns anos,  compre agora na ¨baixa¨, as ações da Petrobrás. Por quê? Oras, fiquem certos de uma coisa, a PETROBRÁS é muito maior que uma P-36, seu patrimônio nos últimos DOZE ANOS tornou-se muito sólido, e é muito mais difícil agora ¨sabotá-la¨, para que mude finalmente de nome.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Cadastro Positivo. O vilão da Economia em 2014.

     Não adianta contestar. Nenhum analista ou tecnólogo irá convencer nós Brasileiros do contrário. Todo aquele que, ao não pagar em dia suas prestações, porém pagar, cada um com seu jeito peculiar de administrar suas finanças, ficou de fora do que é prática na concessão de crédito no país. O CADASTRO POSITIVO.


     Inúmeros trabalhadores em 2014 não puderam comprar veículos, imóveis e demais bens de consumo, apesar de estarem em dias com seus financiamentos e com o nome limpo na praça. Acontece que, aquele que atrasa alguma prestação é analisado de forma diferenciada e certamente preconceituosa ( vale estudar senhores financistas ), ficando de fora do novo cadastro, fato que o impede de efetuar financiamentos novos.
     Um claro exemplo aconteceu em Cidade Tiradentes, onde anualmente é realizado um Feirão de Automóveis. No antigo sistema de análise, os organizadores teriam vendido todo o estoque de veículos, tamanha foi a procura. Consumidores, apesar de estarem com o nome limpo, sem inclusão no cadastro NEGATIVO, também não figuraram no POSITIVO, e viram suas fichas serem reprovadas.
     Boa parcela do consumidor no Brasil, uma vez em sempre, vai atrasar uma ou outra fatura, mas sempre corre daqui, dribla dali e consegue quitar a prestação. Se a medida certamente impopular conseguiu eliminar algum percentual na inadimplência, da mesma forma foi a responsável direta pelo fraco crescimento do PIB, pelo fraco crescimento na indústria e no comércio, setores vitais para a economia do pais, que poderia estar comemorando recordes de vendas e movimentação financeira, apesar da forte crise no mundo.
Se há algum culpado pela economia crescer pouco este ano, com certeza foi o ¨inteligente¨ que, em ano eleitoral, de Copa, e de crise no MUNDO, inventou um instrumento capaz por si só, de acabar com o que poderia ser um ano de GRANDES CONQUISTAS ECONÔMICAS E FINANCEIRAS para todos os setores.
    Mais uma pergunta fica no ar. Esse cadastro é legal, do ponto de vista constitucional e jurídico ???  E não atenta contra o código de defesa do consumidor?
     Para não deixar mais uma pergunta no ar...A quem interessaria, em ano de eleição, segurar o crescimento da economia ???? Sem comentários não é!!! Achamos que seria apelação demais....porém, uma a mais, uma a menos...

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Brasil, um país a caminho do NAZISMO ?


Nesta reportagem, iremos demonstrar o caminho que o Brasil está percorrendo, RUMO AO NAZISMO. Os ingredientes são idênticos e a mídia é o principal instrumento de implantação. Muito parecido com o histórico político da Alemanha do inicio do século XX.
Para nos aprofundarmos nesta temática, vamos voltar no tempo e rever um breve relato a respeito da Acensão do 3º REICH ( Terceiro Império ).

Introdução:
A expressão “Nazismo” deriva da sigla “Nazi”, que foi usada como abreviatura para o “Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães”, organizado por Adolf Hitler na década de 1920. Para se compreender as principais características do Nazismo é necessário saber algumas informações importantes sobre o contexto no qual ele se desenvolveu.

Em 1919, ao fim da Primeira Guerra Mundial, a Alemanha, tendo perdido a guerra, foi submetida a humilhações e cobranças por parte dos países vencedores. A população ficou marcada por essas humilhações e por vários outros efeitos da guerra, que se refletiam em todos os setores: econômico, social, cultural etc. Essa atmosfera pós-Primeira Guerra produziu um enorme ressentimento nos alemães com relação aos outros países, fato que revigorava o extremismo nacionalista na Alemanha, originado ainda na segunda metade do século XIX.

A reorganização política da Alemanha após a Primeira Guerra ficou conhecida como a República de Weimar, cidade onde foi elaborada a constituição que deu as novas diretrizes políticas ao país. O Nazismo se articulou dentro da República de Weimar, junto com vários outros partidos e facções políticas e paramilitares que fizeram pressão contra o novo poder instituído. Dentre essas outras facções havia o movimento espartaquista, uma facção comunista influenciada pela Revolução Russa de 1917 e liderada por Rosa Luxemburgo.

Do ponto de vista econômico, a República de Weimar conseguiu resultados satisfatórios entre os anos de 1924 e 1929, principalmente por conta de investimentos estrangeiros, sobretudo vindos dos Estados Unidos. Entretanto, com a Grande Depressão Americana, a Quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque em 1929, a economia alemã naufragou junto com a de seu principal investidor. Essa nova situação de declínio econômico favoreceu a radicalização das propostas do Nazismo.

Adolf Hitler, nascido em 1889 na Áustria, havia participado da Primeira Guerra como soldado combatente da Tríplice Aliança. Após a guerra, Hitler passou a integrar um grupo de ex-combatentes, de trabalhadores e de membros da classe média alemã que passou a desenvolver uma ideologia cujo objetivo era resgatar a dignidade política da Alemanha, o passado glorioso alemão, isto é: dar continuidade aos dois grandes impérios que a Alemanha já havia protagonizado. Esse grupo fundou o Partido Nazista, que se tornou o suporte político para o desenvolvimento do que Hitler denominou “Terceiro Império” (Terceiro Reich).

Ainda antes da derrocada econômica de 1929, Hitler e seus aliados tentaram tomar o poder. Em 1923, os nazistas articularam um golpe no estado da Baviera e acabaram sendo presos e condenados. Na prisão, Hitler aperfeiçoou sua ideologia e a deixou registrada no livro “Minha Luta” (“Mein Kampf”). Todo o programa que o Partido Nazista viria a executar estava nesse livro. Através do Partido Nazista, Hitler conseguiu, gradativamente, eleger representantes no parlamento da República de Weimar e também chegar ao segundo posto mais importante da chefia do país: o de chanceler, ficando apenas abaixo do presidente Von Hindenburg.

Em 1933, após o parlamento alemão ter sido criminosamente incendiado (e o crime ter sido reportado aos comunistas), Hitler e os nazistas passaram a pressionar o presidente Hindenburg a lhe dar maiores poderes. A partir deste ano começou propriamente a ditadura nazista. Com a morte de Hindenburg, em 1934, Hitler agregou à sua pessoa os títulos de chanceler, de presidente e de “fürer”, senhor e líder, de todos os alemães. O regime nazista passou a ter um caráter completamente totalitário.

As características principais do nazismo, enquanto ideologia instituída no poder, derivaram-se das ideias de Hitler desenvolvidas no período da prisão. O controle da população por meio da propaganda seria uma de suas principais ferramentas. O uso do rádio e do cinema foram decisivos neste processo para que as ideias nazistas fossem propagadas. O antissemitismo era uma dessas ideias. O ódio aos judeus, a quem Hitler atribuía a culpa por vários problemas que a Alemanha enfrentava, sobretudo problemas de ordem econômica, intensificou-se no período nazista. Fato este que culminou no Holocausto – morte de mais de 6 milhões de pessoas em campos de concentração, dentre elas, a maioria de judeus.

Associado ao antissemitismo, estava a noção racista e eugenista da superioridade do homem branco germânico, ou da raça ariana, e a construção de um “espaço vital” para que esta raça construísse seu império mundial. Esse espaço vital compreendia vastas regiões do continente europeu, que segundo os planos de Hitler deveriam ser invadidas e conquistadas pelos germânicos, já que a raça estava incumbida, por conta de sua superioridade, de se tornar “senhora” sobre os outros povos.

As ideias de Hitler convenceram boa parte da população alemã, que criam que sua figura de líder era a garantia de uma Alemanha próspera e triunfante. Essas características do nazismo conduziram a Alemanha à Segunda Guerra Mundial, uma guerra ainda mais sangrenta que a anterior, e ao horror da “indústria da morte” verificada nos campos de extermínio.

* Créditos de imagem:

Por Me. Cláudio Fernandes  ( Resumo da história do império do ódio )
Por: Waldemar Parra ( Resumo da introdução do ódio no Brasil )