sexta-feira, 18 de julho de 2014

Pedro e os Lobos.

O companheiro João Roberto Laque e o irmãozão Marcos Zinani recomendam esta leitura. Gostei muito do tema e do nome, quero o meu autografado. A leitura abre horizontes e nos aproxima mais e mais de nós mesmos.
No Facebook, curta a página: Jornal Folha Popular
https://www.facebook.com/pages/Jornal-Folha-Popular/231943100196769

Alckmin Secou São Paulo - Agora foi a vez do Sistema Alto Tietê.

“Estamos perdendo por dia 12 mil litros por segundo. Se continuar assim, o volume do Sistema Alto Tietê acaba em 150 dias e, pelo que sei, aqui não temos volume morto significativo para explorar. Estamos indo para o brejo do mesmo jeito e ninguém fala nada.” Com estas palavras, pronunciadas ao jornal O Estado de S. Paulo deste último domingo (15), o engenheiro José Roberto Kachel dos Santos aponta o risco de o segundo maior manancial do estado também entrar em situação crítica.
VagnerCampos - Governo de SP
Especialista alerta que, no nível atual de perdas, manancial pode secar em 150 dias; Sabesp garante que volume dá até a próxima estação de chuvas e lamenta ‘alarmismo’Especialista alerta que, no nível atual de perdas, manancial pode secar em 150 dias; Sabesp garante que volume dá até a próxima estação de chuvas e lamenta ‘alarmismo’
Santos é membro do Comitê da Bacia do Alto Tietê e informou que o grupo criou uma Câmara Técnica de Monitoramento Hidrológico semelhante ao c0nstituído para acompanhar o Cantareira.

O Sistema Alto Tietê responde pelo abastecimento de 4 milhões de pessoas e seu volume de armazenamento está o pior em períodos pré-inverno em dez anos. Neste domingo, o nível das represas do manancial estava em 28,8%; há um ano, era de 62,1%. As água do Alto Tietê e do Sistema Guarapiranga vêm sendo remanejadas para parte da população atendida pelo Cantareira desde fevereiro. O Sistema Alto Tietê compõe-se de cinco represas entre os municípios de Suzano e Salesópolis, na Grande São Paulo. Além do remanejamento para o Cantareira, a falta de chuvas na região também contribui para a seca nesse manancial.

A redução contínua do volume do Alto Tietê vem sendo observada desde que a situação do Cantareira começou a chamar a atenção. O SPressoSP apontou em várias matérias que a queda entrava em um patamar preocupante. Mesmo assim, a Sabesp manteve a produção de 15 mil litros do Alto Tietê e pretende avançar mais com a produção no sistema na capital, segundo O Estado de S. Paulo.

Ouvida pela reportagem do jornal, a Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos do governo do estado informou que as projeções da Sabesp indicam que o Sistema Alto Tietê “tem água suficiente para garantir o abastecimento até a próxima estação chuvosa”. A secretaria ainda, segundo o jornal, “lamenta que O Estado agora encampe a tese de que outro sistema, o do Alto Tietê, vai secar e entrar em colapso”.


Fonte: SpressoS  -  No Facebook, curta a página:  Jornal Folha Popular

terça-feira, 15 de julho de 2014

Bolsa Família Chama a Atenção de Bill Gates

RESULTADOS ESPETACULARES


O excelente resultado do Bolsa Família, o maior programa de transferência de renda do Brasil, chamou a atenção de um dos mais influentes homens do mundo: Bill Gates.

Em sua página pessoal do Facebook, o empresário postou a seguinte pergunta: o programa de transferência de renda no Brasil ajudou a reduzir a pobreza?

Juntamente com a pergunta, Gates colocou um gráfico e a matéria do professor de Economia da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, Berk Özler.

O professor destaca o sucesso do programa na redução da miséria. No estudo, Özler mostra que a partir de 2001 a pobreza no Brasil passou a cair num ritmo sem precedentes e atingiu o nível mais baixo.

Ele ainda afirma que o rendimento dos 10% mais pobres do Brasil cresceu 7% ao ano, quase três vezes mais do que a média nacional, de 2,5%.

Números tão impressionantes que os próprios seguidores de Bill Gates responderam sua pergunta cobrando que outros governos no mundo sigam o exemplo brasileiro.

Para muitos, o Bolsa Família ajudou a manter o consumo no Brasil e isso teria facilitado a passagem pela crise financeira mundial.

Leia mais na Agência PT de notícias http://bit.ly/1qE3cgp

Manifestar não é crime, dizem os cientistas sociais


MANIFESTAÇÕES - CIENTISTAS SOCIAIS CONTESTAM (EM MANIFESTO) OS CRIMES QUE TÊM SIDO ATRIBUÍDOS A MOVIMENTOS HORIZONTAIS E ESPONTÂNEOS, TAIS COMO "ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA" E "FORMAÇÃO DE QUADRILHA" ... MOVIMENTOS SÃO HORIZONTAIS, NÃO HÁ CHEFES OU LÍDERES E REJEITAM ESTRUTURAS VERTICAIS DE COMANDO - NESSE PROCESSO NÃO HÁ PESSOA OU GRUPO CUJAS DETERMINAÇÕES SEJAM ACATADAS COMO ORDENS PELOS DEMAIS PARTICIPANTES - A ADESÃO A PROTESTOS DE RUA É ESPONTÂNEA, NÃO HÁ QUADRILHA, NEM ASSOCIAÇÃO, MESMO QUE AS PESSOAS SE COMUNIQUEM PELAS REDES COAIS ... APONTAR ALGUMAS DESSAS PESSOAS COMO LÍDERES OU CHEFES DE QUADRILHA ESTÁ EM DESACORDO COM AS DINÂMICAS SOCIAIS QUE FORAM OBSERVADAS E CITADAS EM ESTUDOS ... DANOS AO PATRIMÔNIO PÚBLICO E/OU PRIVADO, SÃO VISTOS COMO CRIMES INDIVIDUAIS E NÃO CABE O TERMO "QUADRILHA" ...

Em manifesto, cientistas sociais contestam os crimes que têm sido atribuído a movimentos horizontais e espontâneos

Desde os protestos de junho do ano passado, a polícia e o judiciário tem enquadrado manifestantes em crimes como “associação criminosa” e “formação de quadrilha”. No último sábado 12, por exemplo, 19 manifestantes foram presos preventivamente com base na acusação de crime de formação de quadrilha armada.

Para pesquisadores de movimentos sociais, porém, estes novos grupos não devem ser abordados desta forma. Os cientistas sociais que estudam estes movimentos argumentam que estas caracterizações não fazem sentido para estes movimentos, já que eles se organizam de forma horizontal, espontânea e sem lideranças. Leia abaixo a íntegra do manifesto:

Cientistas sociais questionam caracterização legal da polícia e do judiciário

Nas últimas semanas, operações policiais tiveram como alvo manifestantes que participaram de protestos de rua. Muitos deles estão sendo acusados de formação de quadrilha e associação criminosa. Como estudiosos dos novos movimentos sociais nas universidades e instituições de pesquisa científica, acreditamos que os enquadramentos jurídicos utilizados pela polícia e pelo judiciário estão em profundo desacordo com o que a observação e a análise das ciências sociais tem mostrado.

Movimentos são horizontais, não há chefes ou líderes -- Uma das características mais marcantes dos novos movimentos sociais é sua horizontalidade. A observação e análise de centenas de cientistas sociais no Brasil e no exterior tem mostrado reiteradamente que esses movimentos rejeitam estruturas verticais de comando. Isso significa que não é possível localizar no seu processo de organização social uma pessoa ou um grupo de pessoas cujas determinações sejam acatadas como ordens pelos demais participantes. Assim, apontar alguns manifestantes que participam desses movimentos como líderes ou chefes de quadrilha está em desacordo com as dinâmicas sociais que temos observado e registrado nos nossos estudos.

Nossa observação e análise tem mostrado também que os protestos de rua dos novos movimentos não se caracterizam por planejamento prévio dos participantes. Os participantes de manifestações se reúnem espontaneamente atendendo a um chamado que normalmente se limita a indicar o local do protesto e a causa pela qual se manifesta. As centenas ou milhares de pessoas que se reúnem não constituem uma organização, nem prévia, nem posterior aos protestos. O fato de as redes sociais permitirem que pessoas que participaram ou pretendam participar de protestos comuniquem-se e interajam não é suficiente para caracterizá-las como uma organização já que essa interação é espontânea, informal e não estruturada.

Assim, consideramos que a atribuição de supostos atos ilícitos em manifestações a quadrilhas e associações criminosas comandadas por chefes ou líderes não encontra qualquer respaldo nas dezenas de investigações que temos conduzido com novos movimentos sociais.

Assinam:

Prof. Dr. Pablo Ortellado, Universidade de São Paulo

Profa. Dra. Rosana Pinheiro-Machado, Universidade de Oxford

Dr. Rudá Ricci, diretor-geral do Instituto Cultiva

Prof. Dr. David Graeber, London School of Economics

Prof. Dr. Paolo Favero, Universidade da Antuérpia

Prof. Dr. Gustavo Lins Ribeiro, Universidade de Brasilia

Prof. Dr. Giuseppe Cocco, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Prof. Dr. Luis Eduardo Soares, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Prof. Dr. Fabio Malini, Universidade Federal do Espírito Santo

Prof. Dr. Rodrigo Guimarães Nunes, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Prof. Dr. Robson Sávio Reis Souza, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Prof. Dr. José Mauricio Domingues, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Profa. Dra. Miriam Guindani, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Carlos Basília, Fiocruz

Pedro Teixeira, Fiocruz

Itamar Buratti, Instituto de Direitos Humanos

Franciele Alves da Silva, Universidade Estadual de Maringá

Jornalista Mineiro, preso e a ¨Imprensa¨ não dá um pio.

Esse episódio é uma afronta ao Jornalismo. Sempre fomos imparciais em nossas redações. A partir do envolvimento do PIG na campanha do Maçon satanista Aécio NEVER, e da prisão do companheiro mineiro descemos do muro, e nos alinhamos ao lado do povo e das classes trabalhadoras do país. Uma covardia sem limites, que atenta contra a ordem pré estabelecida das coisas. Hoje o profissionalismo foi colocado num canto do salão, junto com o pó (sic) da casa. A ética jornalística é ferida em cada publicação, em cada telejornal. A sociedade Brasileira deve ficar atenta a um possível e perigoso golpe de estado, que parece estar sendo articulado. Acreditamos que, com uma possível derrota de Aébrio Never nas urnas, e vitória de Dilma, podem acontecer duas coisas. Ou os ânimos esfriarão, ou os métodos da oposição tornar-se-ão bem menos ortodoxos do que já estão.

DILMA RECEBE BRICS EM FORTALEZA

Vem muito desenvolvimento e independência definitiva por aí.

Vem muito desenvolvimento e independência definitiva por aí.

     Importante encontro entre os países ditos emergentes acontece no Brasil/ Fortaleza nesta terça-feira 15 e na quarta 16,  tudo certo para a criação de um banco de desenvolvimento com US$ 50 bilhões em caixa e um fundo de reserva de US$ 100 bilhões, durante a 6ª Cúpula dos Brics; instituição e poupança são alternativas ao Banco Mundial e ao FMI; presidente Dilma Rousseff recebe primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, e presidentes Vladimir Putin, da Rússia, Hu Jintao, da China, e Jacob Zuma, da África do Sul, cujos países serão sócios, com o Brasil, da nova instituição financeira; "ideia é fascinante", aplaude criador do termo, Jim O'Neill; alguma coisa está mudando na ordem mundial; vídeo
Marco Damiani, 247 – Na próxima terça-feira, apenas dois dias depois da final da Copa do Mundo, no Rio de Janeiro, o Brasil será palco da mais importante reunião internacional de cúpula dos últimos tempos. Daquelas dignas de entrar para a história. Em Fortaleza, entre a terça-feira 16 e quarta 17, será realizada a 6ª Cúpula dos Brics. No chamado "segundo ciclo" de encontros, que se inicia pelo Brasil depois de todos os países do bloco já terem sediado reuniões, será anunciada a criação de um banco de desenvolvimento com nada menos que US$ 50 bilhões em caixa e um fundo contingencial de reserva de US$ 100 bilhões. A instituição será, na prática, um contraponto ao Banco Mundial, enquanto a poupança fará frente ao FMI.

Os países do bloco terão cotas iguais no novo banco, a partir de depósitos de US$ 10 bilhões cada um. A sede da instituição multilateral ainda não está definida, mas a capital do Ceará já se candidata informalmente para conseguir a primazia. Quanto ao fundo de US$ 100 bi, faz parte do Acordo de Reservas de Contingência (CRA) assinado pelos Brics, com regras para utilização em caso de crise econômica. Os recursos deverão ser aplicados no mercado financeiro global.

- Desde o surgimento dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), em 2009, o diálogo do grupo ganhou em profundidade e extensão, mas agora abrimos um novo ciclo com a criação de dois mecanismos financeiros próprios", disse o subsecretário político do Itamaraty, José Alfredo Graça Lima. o Acordo de Reservas de Contingência (CRA), uma espécie de fundo de estabilização econômica para ajudar países em crises financeiras, serão formalizados na VI Cúpula dos líderes dos Brics.

Em Fortaleza, a presidente Dilma Rousseff será anfitriã do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, e dos presidentes Vladimir Putin, da Rússia, Hu Jintao, da China, e Jacob Zuma, da África do Sul. O primeiro dia do encontro será destinado para um grande encontro entre empresários e executivos públicos dos países participantes. Na quarta 17, ocorrerá a criação formal do novo banco de fomento. Os preparativos na capital do Ceará para receber o encontro começaram um ano atrás. Os hotéis estão com lotação completa.

Após o encontro, os líderes dos Brics irão a Brasília, para expor a filosofia da nova instituição e do fundo de reservas para os presidentes que fazem parte da Unasul - Uniao dos Países Sul-Americanos.

- A criação do banco dos Brics é uma resposta à falta de acordos para democratizar o Banco Mundial e o FMI, mas não só isso. É também uma demonstração da capacidade dos Brics, de que não dependem dos grandes organismos multilaterais", acrescentou o embaixador José Alfredo Graça Lima.

"BANCO É IDEIA FASCINANTE", DIZ O'NEILL - O grupo dos Brics foi criado há cinco anos, a partir da expressão do economista Jim O'Neill, então sócio do banco americano Goldman Sachs. Ele é um dos maiores entusiastas da evolução de um conceito para a forma de um bloco econômico real de cinco países emergentes.

- A ideia de uma banco dos Brics, ou do Sul, como alguns chamam, é absolutamente fascinante, saudou O'Neill à revista alemã Der Spiegel (íntegra abaixo). Ele foi cogitado para ser uma espécie de secretário-geral do bloco, mas, até aqui, isso não prosperou. Com larga experiência no mercado financeiro, entretanto, não é descartado algum tipo de trabalho para ele na formatação do novo banco.

Com o banco de desenvolvimento e fundo de reserva, os Brics ganham, também, em institucionalidade. A partir de agora, os países membros terão tarefas em comum no sentido de erguer a instituição e dar a utilidade correta ao fundo.

- Os Brics são um fórum que serviu para que os cinco países se conheçam melhor e para pressionar por uma nova ordem internacional e uma nova governança nas organizações multilaterais, disse Graça Lima. Ele lembrou que o grupo nasceu a partir de um acrônimo, mas evoluiu política e economicamente, e serviu para permitir aos países emergentes conquistar mais influência na direção política internacional.

Como primeira missão, os presidente dos Brics irão todos à Brasília expor aos integrantes da Unasul (União das Nações Sul-americanas) a filosofia do novo banco de fomento. Fonte: Brasil247


Como comprar uma goleada.


SERIAM CAPAZES DE FAZER 210 MILHÕES DE BRASILEIROS SOFREREM POR PURA POLITICAGEM ???

AÉCIO AMA A CBF
(*) Texto publicado no Blog de Juca Kfouri

Aécio Neves é amigo de José Maria Marin e o homenageou, escondido, no Mineirão.

Deu-se mal porque o que escondeu em sua página na internet, Marin mandou publicar na da CBF.

Aécio também é velho amigo de baladas de Ricardo Teixeira e acaba de dizer que o país não precisa de uma “Futebras”, coisa que ninguém propôs e que passa ao largo, por exemplo, das propostas do Bom Senso FC.

Uma agência reguladora do Esporte seria bem-vinda e é uma das questões que devem surgir neste momento em que se impõe um amplo debate sobre o futuro de nosso humilhado, depauperado e corrompido futebol.

Mas Aécio é amigo de quem o mantém do jeito que está.

Não está nem aí para os que reduziram nosso futebol a pó.

Coisa inacreditável, e que acontece aos olhos de todos, e parece que poucos se dão conta da podridão que presenciamos, toda vez que olhamos mais a direita. E basta olhar os fatos para embrulhar o estômago. Só de imaginar que partiu daí uma suposta negociação que retirasse a Copa das Copas de nossas mãos, coloca-nos a pensar sobre a regulação do futebol. É notória e conhecida internacionalmente toda a corrupção existente tanto na CBF, quanto na FIFA. E por este motivo, a confiabilidade destas empresas é colocada em xeque.
Penso que, se pelo menos UM jogador resolvesse falar o que de fato supostamente ocorreu no dia do jogo contra a Alemanha, saberíamos a verdade. Não sei quem disse isso, mas é a frase que me vem a mente agora:
__ ¨O que o dinheiro não faz¨.

__¨Que sofram 210 milhões de apaixonados pelo futebol. Uma derrota não é o suficiente, quero uma goleada acachapante, grande o suficiente, que seja capaz de revoltar toda uma população, pois sem o POVÃO, meus Black Blocs não são nada. E vamos colocar fogo no Brasil. Estão me olhando por quê? EU TÔ XERÂNO, QUER DIZER, PAGANO¨!!!